terça-feira, 5 de abril de 2011

Desespero

 

Você

não está aqui.

Sua paixão é outra.

Por aqui você orbita.

O corpo aqui, a cabeça lá.

O centro de gravidade que lhe prende aqui, desconheço.

Falta ar neste submarino, o oxigênio está acabando.

Com a cabeça lá, você não percebe nada, não sente nada.

Estou perdido, pois isso aqui tem dois motores e é foda

dar conta de ambos. Sei que não tardará para que sua cabeça,

sem ar, sem oxigênio,

saia por aí à procura

de um bote onde

só caiba

um.

morri asfixiado. eu que me dane. 

2 comentários:

Leandro blogger disse...

como sempre, poetico... e facil perceber as emocões em suas palavras.... sou capaz d imaginar com riqueza de detalhes cada situação q descrever....

E bom saber q ainda tem pessoas que conseguem ser assim: Simples e magnificas!

E ai meu amigo sumido saudades .... to voltando a postar la no eNtrEMeMaiuSculoS...

EspEro vc lá.....

BLOG DE POESIAS DO PROFEX disse...

Antonio, passando para conferir seus posts. Gostei do poema.
Deixo um grande abraço!!!